1

Ibama apreende 20,8 mil arcos de violino fabricados com Pau-Brasil ilegal

Operação do Ibama foi realizada nesta quinta-feira (1). Nove empresas e uma serralheria irregular foram autuadas e as multas totalizam R$ 9,7 milhões.

Brasília (01/11/2018) – Agentes do Ibama apreenderam 20.804 arcos de violino fabricados com madeira de espécies ameaçadas de extinção em operação realizada nos estados de Minas Gerais, São Paulo e Espírito Santo.

Nove empresas comerciantes e exportadoras do material apresentaram irregularidades e duas delas foram embargadas.

O material seria vendido ilegalmente no país e, principalmente, no exterior. Também foram apreendidos 83m³ de Jacarandá da Bahia, 18m³ de Ipê e 9m³ de Pau Brasil.

Os agentes desmontaram uma serraria irregular e apreenderam 19 máquinas. Foram aplicados 12 autos de infração, que totalizam R$9,7 milhões.

As empresas foram autuadas por não apresentar licenças ambientais, por descumprir embargos aplicados pelo Ibama e por manter em depósito madeira sem origem legal. Os agentes encontraram partes de instrumentos musicais fabricados com Jacarandá da Bahia (Dalbergia nigra) e Pau Brasil (Paubrasilia echinata), espécies que constam dos anexos I e II da Convenção sobre Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção (Cites) e na lista vermelha de espécies ameaças de extinção do Ministério do Meio Ambiente.

A primeira espécie foi adicionada ao anexo I da Cites em 1992 e não pode ser extraída. Já o Pau Brasil foi incluído no anexo II em 2007 e só pode ser extraído de planos de manejo.

“O Jacarandá da Bahia é muito valorizado na fabricação de instrumentos como violão e guitarra. Já o Pau Brasil, na fabricação de arcos de violino”, diz a coordenadora da operação Do Re Mi, a analista ambiental Lidiane Ribeiro.

No caso do Pau Brasil, os principais consumidores da espécie no exterior são Alemanha, China, Coréia do Sul, Estados Unidos, França, e Japão. As espécies ocorrem no bioma Mata Atlântica.

“É fundamental que os artistas sempre se informem sobre a origem da madeira de seus instrumentos”, alerta o coordenador de Operações de Fiscalização do Ibama, Roberto Cabral Borges.

Fonte: Ibama

Comentário (1)

  1. Reply
    Camilla Mello says

    Seria interessante vocês divulgarem os nomes das empresas que estão ilegais para que os músicos evitem comprar instrumentos confeccionados com essas madeiras.

Publicar um comentário